BOM OU BOMBA? v.2

A.I. – INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL (2001)

A.I. - inteligência artificial poster

QUEM GOSTA DIZ:

– Como todas as grandes obras de ficção científica, é um tratado sobre a imperfeição humana. Só que no caso de A.I., essa imperfeição vem acompanhada de discussões éticas, morais e até mesmo religiosas.

– A sensiblidade spielbergiana e a objetividade kubrickiana rendem cenas que vão do mais completo racionalismo (a sensacional “aula” de William Hurt que abre o filme) ao puro lirismo (a cena em que, ao ouvir as palavras certas, David passa a amar a mãe).

– O final é um dos mais incompreendidos da história – David consegue o que procurava, mas sem saber que tudo aquilo não passava de uma ilusão. É um dos finais mais pessimistas da carreira de Spielberg, e que daria o tom de seus filmes posteriores (GUERRA DOS MUNDOS, MUNIQUE).

QUEM NÃO GOSTA DIZ:

– Um dos piores finais da história do cinema. Spielberg poderia ter acabado o filme na cena em que David está no fundo do mar em frente à estátua da fada, mas prefere uma solução simplista incluindo robôs com caras de alienígenas.

– O filme é esquizofrênico, com Spielberg querendo homenagear Kubrick em cada fotograma, mas sem abrir mão de um sentimentalismo exagerado que parece não combinar com o roteiro.

– O personagem de Jude Law cai de pára-quedas na história, aparentemente sem nenhum propósito. E assim como ele, toda a cidade Rouge City (que existe para satisfazer prazeres sexuais), acaba parecendo uma versão da Disneylândia com mais neon. Não pode existir nada remotamente sexual em filmes de Spielberg.

E aí gente? A.I. é BOM ou BOMBA?

Esta entrada foi publicada em 24 quadros por segundo, Bom ou Bomba? com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

18 respostas a BOM OU BOMBA? v.2

  1. Quando eu vi eu achei BOM. Vi uma vez só e foi interessante, garantiu o divertimento. Depois que fui ver quantas pessoas achavam ele bomba, mas eu nunca me prestei a ver de novo.

  2. BOMBA. E é uma pena, pois se Kubrick tivesse dirigido teria sido uma obra-prima, cer-te-za.

  3. mariane diz:

    é um filme muito bom, mas com o kubrick talvez virasse uma obra prima

  4. Helio diz:

    Bomba!
    muito chato, inverossímil e longo, e por causa de meus comentários negativos sobre o filme quase perdi a amizade com um hermano argentino que adorou. Em suma: filme para argentinos!

  5. Gisele diz:

    O filme é bom, o problema dele é que sempre o analisamos sob o prisma do que ele DEVERIA ter sido, em dois momentos:

    a) o que ele seria se o Kubrick tivesse dirigido, e todo mundo sempre acha que Kubrick = melhor. Mas é injusto, porque Spielberg não pode ser considerado nunca um “substituto”, “second-best”. Mesmo em relação ao Kubrick.

    b) a própria filmografia do Spielberg. Isso vale para praticamente todos os filmes dele — ele sempre é comparado a si próprio, sempre tem alguém dizendo “ah, um Spielberg” menor”.

    Por isso acho que A.I. sofre. É muita comparação para um filme que, a meu ver, tende mais para a simplicidade do que para a grandiosidade. Mesmo com os efeitos, é a delicadeza a marca dele, não o impacto. Certamente, ele não chega a ser uma obra-prima, mas é um bom filme, daqueles que continuarão a ser vistos por anos a fio.

  6. Michel diz:

    Bom, claro. Acho que todos concordam que o filme não é uma obra-prima. Mas não deixa de ser bom cinema.

    Sou daqueles que acham que o filme deveria ter acabado no fundo do mar, em frente à estátua. Não gosto do final com os alienígenas, acho sentimentalóide e meio fora do contexto do filme.

    Mas o final não tira o mérito do restante do longa.

  7. karine diz:

    Acho o filme BOM até o ponto que ele cai na água. O fim eu acho uma BOMBA.
    Mas só é bom, nada de especial. Eu gosto do Jude Law robotizado. A Rouge City é infantilizada sim, mas até acho que foi intencional, não porque não há erotismo nos filmes do Spielberg, mas no sentido que o erotismo do futuro será banalizado. (se é que deu para entender).😛

  8. livia diz:

    Se é BOM ou BOMBA eu não sei,mas que foi sem dúvida o filme que eu mais chorei na vida,hauhuahua.Minha mãe teve que me abraçar durante uns 10 minutos,kkkk.

  9. Fernando Sobrinho diz:

    Eu acho o filme esquizofrênico com a mistura de estilos tão diferentes, porém bom : o final é falsamente melodramático. É bem pessimista como foi dito no texto. Ele incomoda (sim, tem um pouquinho da sacarose spielberguiana)mas tinha que ser posto lá como conclusão do filme. Acredito que Kubrick a colocaria também, obviamente com tintas mais sombrias.

    Acho chatinha a parte da Rouge City , mas também entendo que, dessa vez, Spielberg não foi hesitante ao abordar o erotismo : a busca pelo prazer virou uma coisa gélida, esquisita, mecânica e um resquício, meio pastiche, do passado.

  10. Arthur diz:

    O filme é bom, mas vai ficar sempre naquela sombra do que podia ter sido se fosse do Kubrick. Afinal, seria vendido como filme-cabeça e não blockbuster do Spielberg. E olha que eu não concordo com classificações assim.

    O final é uma bosta total na verdade. Mas até lá seria muito bom. Como eu não gostei do Laranja Mecânica, dá até pra acreditar que a história veio do Kubrick.

  11. carol diz:

    o Anderson vai ficar em cima do muro nesses Bom ou Bomba??

  12. Elton diz:

    Acho difícil despir o olhar já contaminado de referências, ou melhor, de comparações com estilos ou obras anteriores. Porém, eu classifico o filme como memorável. Não acredito que o final comprometa em nada o resto do filme.
    As pessoas assistem aos filmes esperando que o final atenda aos próprios anseios… Um conselho, não assista ao filme com expectativas de que a estória se desencadeará desse ou daquele jeito… Não é essa a proposta do cinema.

  13. Romulo diz:

    Ahahahaha.

    Espera passar um tantinho de tempo depois vc fala sua opinião, Anderson.

  14. Romulo diz:

    Assisti ontem, por conta aqui do blog.

    Acho que não dá pra classificar tanto bom ou bomba. O filme é necessário justamente pela junção – e em MUITOS momentos, embate – de visões antagônicas.

    É daquelas obras que definitivamente não têm seu valor por serem excepcionalmente bem realizadas [oh, que belo roteiro, oh, que bela direção], mas justamente pelas falhas e arestas que apresenta.

  15. carol diz:

    concordo com o Romulo!!
    é saudável pra discussão que você não dê sua opinião enquanto os comentaristas se degladeiam =D
    dá pra perceber que essa nova categoria já virou hit!!

  16. A.I. é um dos meus filmes favoritos de sempre, e meu preferido de Spielberg. Já disseram o que precisava ser dito a seu favor. Ele é particular nas suas abordagens — achar que algo deve se deter no âmbito racional ou no sentimental sem que se mesclem essas ênfases é que inverossímil, irregular. Pode ser o mais incompreendido do diretor. Mas, para aqueles que o celebram, que prazer que é essa obra-prima.

  17. Tina Lopes diz:

    Acho um dos filmes mais tristes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s