Videografia: Samuel Bayer

samuel-bayer-videos

Um dos meus diretores de clipe favoritos, Samuel Bayer, recentemente estreou em cinema dando um reboot na série A HORA DO PESADELO. Pra fazer uma homenagem ao cara, aqui vai um apanhado dos clipes indispensáveis de Bayer.

O primeiro clipe dirigido por Samuel Bayer é até hoje seu trabalho mais famoso: “Smells Like Teen Spirit” do Nirvana. Quando o mundo se via repleto do domínio do pop arrumadinho, me chega o Nirvana com um clipe sujo retratando um show numa high school anárquica e infernal. Se tornou um dos vídeos mais imitados de todos os tempos e fez Bayer estrear com pé direito no showbiz. Ilustra também uma das marcas registradas do diretor: a criação de, em um estúdio reduzido, um universo de pesadelo.

A partir daí, Bayer seguiu forte na carreira videoclíptica, geralmente se associando a bandas de rock que giravam em torno do grunge. Ele colaborou bastante com os Smashing Pumpkins com clipes obviamente dark, mas bem criativos. O meu preferido é “Bullet With Butterfly Wings”, misturando as imagens sombrias de estúdio características de Bayer com externas grandiosas, tratando de uma escavação estilo “Serra Pelada”. A revelação sobre o que estava sendo escavado é bem bonita. E o clipe ainda transformou a camisa “Zero” de Billy Corgan em ícone do rock dos anos 90.

http://www.dailymotion.com/swf/video/x41t0

Outra banda com quem Samuel Bayer realizou um belo traballho foi The Cranberries. Em “Zombie”, ele utiliza pela primeira vez como inspiração para suas imagens sombrias de estúdio as pinturas de Bosch, que depois serviriam como influência recorrente. A mistura de imagens com colorido exagerado (e Dolores O’Riordan pintada de dourado) e outras em p&b (com crianças e soldados)  em tom documental ilustram de forma meio perturbadora os problemas da Irlanda do Norte de que falam a letra.

Um dos clipes de Bayer que mais foge do seu estilo característico é o belíssimo “Home”, de Sheryl Crow. No meio de uma corrida de carros no interiorzão dos EUA, vários habitantes da cidade dão sua definição de ‘lar’. O clima é semi-documental, e a poética fotografia em p&b é uma das mais bonitas que já vi em clipes.

Bayer também tem colaborações muito boas com o Garbage. De todas, a minha preferida é o clipe de “Stupid Girl”. Certamente influenciado pelos créditos iniciais de SEVEN, Bayer manipula as imagens todas (que em si são bem simples) em pós-produção dando um look sujo e ultra-fragmentado.

A obra-prima de Bayer ocorre em sua parceria com o Metallica em “Until It Sleeps” (clipe favorito #39). Sua fascinação com as pinturas de Bosch aqui chegam ao nível do doentio, e é impressionante como o diretor consegue imprimir um clima assustador tão genuíno com imagens extremamente artificiais. O clipe é como se fosse uma viagem de ácido pelo Velho e Novo Testatemento, misturando de forma carnavalizada o cristão e o pagão.

Bayer também fez uns clipes bem legais com os Rolling Stones, do qual destaco o sombrio “Anybody Seen My Baby”, com uma Nova York gótica e Angelina Jolie em início de carreira.

Contudo, a banda com o qual a videografia de Bayer será pra sempre associada é o Green Day. O diretor foi responsável por todos os clipes da fase “American Idiot”, inclusive o da música título, que tem um dos melhores trabalhos de edição que eu já vi.

Também dessa fase talvez seja o clipe mais ambicioso de Bayer: “Wake Me Up When September Ends”.  É praticamente um curta-metragem que acabou servindo de símbolo do discurso anti-Bush em meados da década passada. Jamie Bell é um adolescente que se alista no exército americano mesmo tendo prometido nunca abandonar sua namorada, Evan Rachel Wood. O clipe então sobrepõe imagens fortes da Guerra do Iraque com a da namorada sofrendo com a perda do amado.

Um clipe bem simples mas bem louco de Bayer é o que ele fez para “You Only Live Once” do The Strokes. A banda com roupas branquinhas é colocada num estúdio super-iluminado, que rapidamente vai sendo preenchido por um líquido preto bem nojento.

http://www.metacafe.com/fplayer/sy-219479238/the_strokes_you_only_live_once_official_music_video.swf
The Strokes – You Only Live Once (Official Music Video) – Watch more top selected videos about: The_Strokes

Já em clima de super-produção, Samuel Bayer dirigiu o exagerado mas divertido “Welcome to the Black Parade” do My Chemical Romance. Novamente o diretor carnavaliza a própria morte, com recursos de edição e pós-produção que lembram o do cinema mudo. E eu adoro os caras da banda com o figurino dos paquitos. hehe

Um dos trabalhos mais recentes de Bayer foi também um de seus mais elogiados: “What Goes Around… Comes Around”, de Justin Timberlake. Fazendo rara incursão pelo terreno do pop, Bayer realiza novamente um clipe estilo curta-metragem, com direito a Scarlett Johansson como diva e roteiro de Nick Cassavetes. A fotografia é absurda, e de todos os clipes com estilo “MOULIN ROUGE” que se multiplicaram por aí, esse é o melhor.

http://www.dailymotion.com/swf/video/x17y07_justin-what-goes-around-comes-aroun_music

Vamos ver se agora que começou no cinema, Samuel Bayer consegue construir uma carrreira de sucesso assim como já tem no terreno dos videoclipes.

Esta entrada foi publicada em Clipografia com as etiquetas , , , , , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s