LOST – Comentários sobre o final da série

Jack_Eye_Lost

É inevitável que uma série como LOST, tão marcada por mistérios e inúmeras perguntas, tenha muito de sua qualidade definida pelo nível de satisfação de seu final. Mesmo com o papo de “o que importa foi o caminho percorrido” e bla bla bla, todo mundo quer que o final seja no mínimo recompensador.

Contudo, o mais curioso é que muito sobre LOST não vai ser julgado pelo seu episódio final, mas especialmente pelos seus 20 minutos finais. E numa série dada a inúmeras referências, esse final não podia ser diferente: foi de citações a preceitos do Budismo e do Cristianismo, passando por MATRIX e O SEXTO SENTIDO. Mas me parece que muito da decepção ou da satisfação com relação ao final de LOST passa mais por uma questão crucial:

Os roteiristas-produtores não se preocuparam em explicar o que era a ilha, e sim o que eram os flash-sideways.

Está claro pra mim que essa é a primeira constatação de qualquer um que tenha a pretensão de discutir o tão desejado ‘significado’ da série (ou a falta dele). Na verdade, o abandono de alguns mistérios ou arcos narrativos (qual a importância de Walt? quem está por trás da Hanso Foundation? qual a razão do embate entre Widmore e Benjamin Linus?) foi feito para se dar ênfase a um único – qual a razão da tal realidade alternativa fora da ilha? Acontece que essa é uma preocupação apenas da última temporada, e não da série inteira. E daí que o nosso julgamento do final da série tem de passar irrevocavelmente pela nossa opinião da 6ª temporada.

Para mim, de todas as imensas qualidades de LOST, a maior delas é a criatividade em trabalhar sua narrativa – múltipla, fragmentada, plural. A série começou com o recurso tradicional do flashback, depois passou pelo mais inovador flashforward, e aí para uma narrativa de viagem no tempo e finalmente inventou uma nova realidade. Ou seja: começou trabalhando de forma convencional as questões de tempo (pra frente ou para trás), depois desconstruiu essa própria noção com as viagens no tempo e, ao final, ultrapassou não só os limites de tempo mas também as de espaço criando os flash-sideways.

Só que ficar na narrativa pura não dá uma série de sucesso: LOST também tinha personagens cativantes com micro-histórias que, sozinhas, dariam origem a várias outras séries interessantes individualmente. Junte-se a isso a questão dos mistérios inacreditáveis que se misturava à campanha de marketing que marcou época, e temos um dos principais fenômenos da cultura/entretenimento desse início de século.

Em se tratando de LOST, a 6ª temporada foi incrivelmente irregular. Todo aquele arco narrativo do Templo teve poucos momentos importantes e parece não ter levado a lugar nenhum. Os próprios acontecimentos da ilha estavam um tanto desinteressantes – apoiando-se basicamente no binômio Jacob/Homem de Preto e no talento de Terry O’Quinn.

O que havia de realmente marcante, questionador, surpreendente ou no mínimo curioso acontecia nos flash-sideways. Mesmo nos episódios mais fracos (como no de Kate ou no de Sun/Jin), havia algo que nos levava a considerar os paralelismos entre aquela realidade e a realidade da ilha. Em seus melhores episódios (como no de Desmond, em que começa a se delinear a junção entre os dois universos), somos apresentados aos melhores aspectos das duas esferas tão mencionadas pelos fãs, mas que no fundo sempre estiveram unidas: o da ‘mitologia’ e o das ‘histórias individuais’.

Assim sendo, por um lado gostei bastante da importância dada aos flash-sideways no final – e de certa forma, a ênfase quase que total nas tais ‘histórias individuais’ deixando vários aspectos da  ‘mitologia’ de lado (sim, ficamos sem saber o que era o pássaro que dizia o nome do Hurley na 1ª temporada). Contudo, quando o final se concentrava nesses aspectos ‘mágicos’, não convenceu muito. A tal caverna mágica pode ter inúmeros simbolismos, mas acabou se reduzindo a um recurso chinfrim pra criar um final com destruição digno de filme de James Bond (daqueles com o Roger Moore), com direito a câmera tremendo pra fingir que é terremoto. Mesmo eu talvez sendo o único a ter gostado de “Across The Sea” (aka, o episódio da mãe do Jacob/Homem de Preto), foi estranho ser apresentado aquilo tudo tão perto do final – ficou parecendo que a caverna mágica foi um recurso de última hora pra explicar a ilha e muita coisa relacionada a ela.

E aí chegamos a um ponto importante: onde ficou a ciência em LOST?  Muitos abandonaram a história na 5ª temporada, quando começou a narrativa das viagens no tempo e a série saiu do armário da ficção científica. Nessa 6ª temporada, quem gostava mais dos aspectos científicos em LOST (como Dharma, eletreomagnetismo, ‘buraco de minhoca’ etc), que chegaram ao seu ápice na 2ª temporada, se desiludiu de vez com a ênfase (talvez exagerada) em aspectos simbólicos e altamente subjetivos.

Eu acredito que de certa forma podemos interpretar isso como mais um aspecto da multiplicidade de leituras de LOST – que é uma de suas principais características (e agradeço profundamente Cuse e Lindelof por nos poupar de explicações timtim por timtim). Muitos dos mistérios de LOST podem ser lidos como a emergência de questões mágicas/imaginativas/simbólicas, mas também como aspectos científicos da ilha. Desde o urso polar (cobaias da Dharma ou representação dos poderes de Walt ao ler HQ?) até a própria caverna mágica (luz primordial ou descarga eletromagnética?), muito pode visto dessa forma dual.

No entanto, é nesse entre-lugar entre o científico e o simbólico que reside uma das principais questões não só de LOST mas de praticamente todas essas grandes narrativas contemporâneas da cultura pop: porque não satisfeitas com a própria força de seu enredo e com a construção de seus personagens, essas histórias tem de recorrer a um inevitável discurso religioso?

Não digo que isso seja bom ou ruim – apenas acho um fenômeno extremamente complexo. Qual a necessidade de obras literárias, cinematográficas ou da TV precisarem imbuir o seu ‘sentido final’ a uma esfera religiosa? Sendo mágica (HARRY POTTER), gótica (O SEXTO SENTIDO) ou de ficção científica (BATTLESTAR GALACTICA, AVATAR, MATRIX), parece que a própria natureza intrincada de suas histórias não lhe bastam: precisam de um ‘purgatório’, de uma figura messiânica, de um comentário sobre reencarnação.

Eu chamo esse fenômeno de “Chico Xavierzação” da cultura pop. Novamente, não sei se isso é válido em si. Não que seja novidade – a ficção científica especialmente é famosa por sua conexão com o místico. Mas essa ligação com o religioso hoje em dia me parece que é usado, antes de mais nada, como um discurso legitimador, do tipo “tem um monstro de fumaça que solta faísca, mas no fundo ele é a representação da queda de Adão. Viu como a série é profunda?”

E LOST, como principal narrativa de ficção científica pós-MATRIX, seguiu o mesmo caminho. Sabendo que não importa a explicação que fossem dar sobre a ilha, ela nunca seria satisfatória o suficiente, preferiram se concentrar nos flash-sideways. Só que essa explicação foi tão pesada no quesito religioso que me pergunto se precisava realmente daquilo tudo. Quando no episódio “Happily Ever After” se esboçou uma teoria de que tudo era o ‘amor’, muitos acharam patético. Mas não sei se seguir a veia unicamente sentimental teria sido tão ruim. Não que esse episódio final não tivesse seus momentos extremamente tocantes: Sun/Jin (chorei), Charlie/Claire (chorei muuuuito), Sawyer/Juliet (ri e chorei ao mesmo tempo).

Aliás, não é engraçado perceber que aqueles diziam “é o purgatório” estavam certos desde o início? Eles só estavam falando da realidade errada. E como o Rômulo tinha dito, teve até cena à la “Dumbledore explica tudo a Harry”, só que dessa vez com Christian Shephard (e pra quem não pegou a referência do nome, estava lá a Kate pra fazer piadinha e esfregar na nossa cara).

Falando especificamente do destino dos personagens:

– gostei muito do Jack nessa temporada. Teve final merecido e achei ótimo o “mini-flashback do amor” (golpe de mestre de Cuse & Lindelof) mais importante ser causado pelo seu pai e não por Kate.

– Kate excelente. Evangeline Lilly se redimiu de péssimos episódios.

– finais amorosos fofos: Sun/Jin, Charlie/Claire, e especialmente, Juliet/Sawyer.

– final amoroso meio forçado: Shannon/Sayid

– Locke: talvez o melhor “mini-flashback”, com ele mexendo o pé. E impressionante como a interpretação do Terry O’Quinn mudou.

– Ben: desfecho redentor para o personagem. E ele falar pro Locke levantar, muito bonito.

– Hurley: o novo Jacob, me surpreendi. Mas de forma positiva.

– Desmond & Penny: mereciam uma super cena, mas quem fez “The Constant” não precisa de mais nada.

Se teve uma coisa que gostei muito desse final foi que, ao mesmo tempo em que há um final redentor (de Cristo Redentor na entrada da igreja, mais especificamente) para os personagens, por outro lado há um certo amargor no destino deles fora dali. Jack morre na ilha acompanhado por Vincent, e por mais que seja por causa de seu heroísmo e sua recém-adquirida fé, é muito triste. Mais triste ainda é saber que os tripulantes do avião (Kate, Sawyer, Miles, Lapidus – vivo! – e Alpert –vivo!) provavelmente tiveram uma experiência de vida vazia e sem sentido se considerarmos seus flash-sideways. Afinal, Christian Shephard diz para Jack: “Alguns morreram antes de você, outros muito tempo depois de você”.

Mas a frase mais significativa de Christian para Jack Shephard foi: “Não existe o aqui e o agora.” E como tudo em LOST, pode-se ler isso de várias formas: a explicação mais óbvia seria uma mistureba new age de todas as religões (claramente retratadas no vitral atrás do personagem). Mas prefiro ler essa afirmação como uma reafirmação das maneiras como LOST sempre inteligentemente subverteu o esquema da narrativa linear. Depois de tanto falar sobre manipulações de tempo/espaço, chegou a hora de afirmar que ambos os conceitos são meramente discursos subjetivos – o ‘aqui’ e ‘agora’, ao final, realmente não fizeram a menor importância para aqueles que tiveram os momentos mais importantes de suas vidas na ilha.

Como não podia deixar de ser em LOST, é um final com mais perguntas que respostas e fico feliz que tenha sido assim. A própria questão de porque aquelas pessoas especificamente estavam na igreja vai ser debatida pra sempre, assim como debatemos por anos porque aquelas pessoas especificamente estavam na ilha.  Podemos até chegar a pensar quem estaria na ‘nossa igreja’, ou quem seria o ‘nosso Christian Shepherd’ (eu pelo menos pensei). Mas, claro que, assim como o ‘aqui’ e ‘agora,’ talvez eles não passem também de mais invenções para suportarmos a dor de não nos encontrarmos – pelo menos até vislumbrarmos a caverna iluminada.

LOST termina como uma excelente narrativa humana, imaginativa como poucas que já assisti – mas como reforçado nesse último episódio, essencialmente mística. O quanto isso vai afetar o legado da série (cujos episódios vou rever e rever), saberemos em breve. See you in another life, brotha.

Lost-Eye_closed_jack

Esta entrada foi publicada em Coffee - Tv, Pop Q Pensa com as etiquetas , , , . ligação permanente.

9 respostas a LOST – Comentários sobre o final da série

  1. karine diz:

    Excelente texto!!🙂

    Eu chorei muito nesse final, especialmente pela trilha sonora manipuladora (e ótima!)e os personagens (ai, também ri e chorei com Sawyer e Juliet). Passei 6 temporadas odiando o Dr. Jack para gostar dele nessa reta final, e aí ele morre.

    A saída religiosa também me pareceu uma coisa fácil. Como se tivessemos visto nascimento, vida e morte de todos. Mas acho que no fim Lost sempre foi sobre as pessoas né?

    Depois de ver esse final, acho que se tivesse terminado naquele episódio final da 3ª temporada, com o Dr. Jack desesperado para voltar, teria sido mais apropriado. Teriamos muitos motivos para filosofar sobre os motivos que levariam aquele homem que passou meses querendo sair de lá, querer voltar.

    Mas agora a gente sabe de tudo. A ilha foi o rehab do Dr. Jack.

  2. Lili diz:

    Excelente texto, de fato! Mas sou parte da turma que ficou frustrada com o final. Eu fiquei emocionada sim, claro, fiquei feliz por várias coisas. Dei um gritinho quando o Hurley virou o novo Jacob! Me acabei de chorar com o reencontro dos casais e vibrei com a cena da igreja, linda em cada momento. Mas estou me sentindo enganada. Rs. Sei lá. A série era sobre pessoas, ok, mas também era sobre os mistérios daquela ilha. Foi isso que trouxe a fama, a audiência, o frissom todo em cima. Quando eles resolvem fechar a saga “ignorando” a jornada, me parece que foi por conveniência. É mais fácil trabalhar com casais se reencontrando do que explicar o que são os malditos números, ou porque Linus e Widmore são brigados, ou porque o Desmond aguenta eletromagnetismo, ou porque mil coisas. Isso me chateia. Mas enfim, valeu ter acompanhado e valeu ter lido o seu texto! Abraço!

  3. Wally diz:

    Gostei bem mais, acredito. Não fiquei frustrado. Entendi o propósito da ilha em si e certos detalhes não respondidos realmente não me fizeram falta. Acho que terminou muito bem, dando importância à essência da série: os personagens.

  4. Final memorável, no mínimo. Possivelmente um dos melhores episódios da série, mesmo com todas as críticas.

  5. André diz:

    Achei ótimo o episódio final. Alguns dos mistérios que a Lili comentou acabaram sendo respondidos parcialmente ao longo da série. Os números foram criados pelo Jacob, cada personagem do avião tinha um número, no episódio que mostra a caverna do Jacob aparece isso. A briga Ben x Widmore também foi explicada: o Widmore era “chefe” dos Outros, quando Ben se juntou aos outros e matou o povo da Dharma, ele assumiu o posto do Widmore e expulsou o cara da ilha, só isso. Daí pra frente o Widmore passou a tentar voltar à ilha e acabar como o Linus. Em relação ao Desmond, acho que não tem explicação mesmo, o cara era especial e pronto…
    Abraços

  6. gabi froes diz:

    gostei muito do texto. engraçado, quando o jack pergunta “but why are they all here now?” e o christian diz pra ele “theres no now, here” eu pensei nessa coisa da linearidade. eu achei isso a frase mais genial de toda a temporada, essa declaração de que o tempo é uma convenção terrena. isso diz muita coisa sobre a serie, sobre quem escreveu a serie, sobre essa tendencia que voce menciona. eu concordo com tudo que você disse, eu não diria melhor. eu acho que aquele episodio em que o desmond viaja no tempo pela primeira vez (5a temporada?) é o melhor episodio de qualquer serie que eu já vi. eu acho aquilo sensacional. entao quando eu fico com raiva dos episodios inuteis (tipo o Across the Sea, haha), eu penso que tenho que relevar, porque depois daquele episódio, the bar was set too high, talvez sejamos nós que estejamos esperando demais… nao dá pra ser all-rise, que nem o mix cd do barney stinson : )

  7. Wanderli T lIma diz:

    Eu não posso dizer que fiquei triste,mas disiludida. O texto acima está o máximo e nos acrescentou variantes para ajudar a entender essa misselânia de enredos. Para mim ficou claro que desde o início todos morreram e foram para o purgatório,mas eu gostaria que algumas daquelas personagens (Sawyer,Jin,San,Hurley)pudessem sobreviver a tudo isso,eles são demais.Mas,enfim tudo é mentirinha e nossas vidas devem continuar e esperar por outra série.

    KISSSSSS

  8. Rosa diz:

    Eu amei o final de LOST, e principalmente pelo comentário feito sobre a Ilha, que não soubemos o que era a ilha. Realmente todos os espectadores ficaram concentrados na ilha e não nas pessoas, o que mostra como nós estamos distantes de nossos semelhantes…Para mim o final foi totalmente esclarecedor, pois o Jack recebeu uma lista com todos os voos que passariam pela janela da ilha, o que significa que todos naqueles voos estavam com o dia da morte marcado. A série tenta mostrar que a ciência nunca atravessará o portal que nos define como vivos e mortos, porque a própria ciência estará morta quando seus precursores chegarem na ilha e é bom que estejam preparados para vivenciar algo tão profundo quanto vivenciaram as almas que passaram pela ilha de LOST. A série não apresenta todas as respostas porque nem morrendo teremos todas….Todos morreram na queda do avião e depois passaram pelo Umbral, este conceito não tem adeptos no segmento esotérico, pois não acreditamos que você evolua no plano espiritual, lá é um lugar de descanso e não de provações, todas as suas tarefas estão cronometradas para ocorrerem aqui no plano físico, chegando lá, você tem a percepção de todos os erros que foram cometidos, mas precisará reencarnar para acertá-los….Um abraço a todos.

  9. gilberto diz:

    se vc morresse hoje de maneira inesperada, quais lembranças voce gostaria de levar e se pudesse estar em um lugar paralelo onde voce pudesse ter a chance de corrigir, fazendo o bem seja la pra quem for! num lugar onde acha-se que nao se conhec ninguem.mas ao mesmo tempo todos nos nos conhecessemos existem milhares de pessoas que vc ja encontrou por ai mas nao se lembra ou simplesmente e apenas a eterna briga entre o bem e o mal , e nos com o nosso livre arbitrio escolhemos pra qual lado seguir, sempre a uma escolha

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s