Top 10 – Filmes da minha vida

3- A ÉPOCA DA INOCÊNCIA

age_of_innocence1

A EXPERIÊNCIA:

Lá estou eu, com 13 ou 14 anos, indo ao cinema toda a semana. Via qualquer coisa, pelo prazer de descobrir novas histórias. Assisti a esse filme no cinema na semana seguinte a VESTÍGIOS DO DIA, que tinha gostado bastante. Quando comprei o ingresso, a moça da bilheteria me disse: “o pessoal tá dizendo que esse filme é chato, saem até no meio.” Mal sabia ela que eu já tinha lido tudo que podia sobre ele e estava ansiosíssimo pra assisti-lo.

Mas na verdade não sabia da maior surpresa que me esperava: estava indo assistir ao meu primeiro filme de Martin Scorsese. E desconhecia essa história de Scorsese ser associado a filmes violentos. Quando vi aqueles movimentos de câmera, enquadramentos e travellings (claro que na época não sabia esses nomes) lembro de pensar: “então pode se fazer isso num filme???” Foi realmente das experiências em cinema mais mágicas que tive, quase que sozinho naquela sala mas sendo inundado por aquela tela que de repente se tornava completamente amarela, ou aquela sofisticação que jamais tinha visto em qualquer filme. Hoje quando me deito e sempre olho pro pôster de A ÉPOCA DA INOCÊNCIA sobre a minha cama antes de dormir, penso que talvez não soubesse que naquele momento estava assistindo a um dos filmes da minha vida.

O FILME:

age-of-innocence-dvd-cover

Acho curioso que hoje quando se discute a carreira de Martin Scorsese costuma-se colocar A ÉPOCA DA INOCÊNCIA como apêndice. Esse é o destino de seus filmes ditos ‘diferentes’, como KUNDUN ou ALICE NÃO MORA MAIS AQUI. Mas esse ‘diferente’ pouco tem a ver com a qualidade das obras desse que é maior cineasta vivo. Na verdade, esses filmes não se enquadram naquilo que notoriamente é conhecido como seu estilo: a violência. Suas três obras-primas indiscutíveis (TAXI DRIVER, TOURO INDOMÁVEL e OS BONS COMPANHEIROS) são filmes que não poupam o espectador de sangue, tiros e porrada. Mas como pode um diretor assim dirigir um filme que conta uma história de amor proibido na sociedade nova-iorquina em meados de 1870? A resposta deixo com o próprio Scorsese: “A ÉPOCA DA INOCÊNCIA é um dos filmes mais violentos que já fiz”.

Quando se vê a chacina orquestrada de Travis Bickle ao final de TAXI DRIVER ou as cenas das lutas de boxe em TOURO INDOMÁVEL, é fácil esquecer que a principal violência realizada por (contra?) aqueles personagens é a que surge do contraste extremo entre suas identidades conflitantes e um mundo que não as tolera. Se tomarmos esse ponto de partida para praticamente todos os filmes de Scorsese, nenhum é mais bem-sucedido que A ÉPOCA DA INOCÊNCIA.

Baseado no épico de minúcias de Edith Wharton (que depois se tornou também um dos livros da minha vida), o cineasta tece uma história de amor complexa tendo como pano de fundo a Nova York de meados do século XIX. A paixão que surge entre Newland Archer (Daniel Day-Lewis) e Ellen Olenska (Michelle Pfeiffer) é o elemento revelador que eclode no meio de uma sociedade que vive de máscaras. Um amor que não só precisa ser escondido, mas destruído. Newland é um advogado respeitável, noivo de uma das moças mais puras e respeitáveis que se pode conhecer, May Welland (Winona Ryder). Mas com a chegada na cidade da prima de May, a Condessa Olenska, as certezas de Newland se abalam, assim como o verniz de decência que sustenta todo um imenso universo de aparências.

Scorsese capta com perfeição uma das temáticas centrais da literatura de Edith Wharton (e de seu ‘mestre’ Henry James): o contraste entre uma Europa ‘corrompida’ e uma América ‘pura’. A Condessa Olenska representa para os abastados nova-iorquinos do século retrasado algo entre o excêntrico e o intolerável. A maneira com que fala com homens abertamente, o fato de morar numa rua que não é da moda, ou até mesmo chegar atrasada a um baile são crimes  horrendos para um mundo que preza suas convenções. Uma das grandes escolhas do filme é mostrar essa atmosfera de duas formas aparentemente paradoxais, porém complementares:  ao mesmo tempo em que ilustra a hipocrisia reinante no âmago dessas normas, ele se deleita nos inumeráveis prazeres que ela apresenta. Juntamente com O LEOPARDO e BARRY LYNDON, A ÉPOCA DA INOCÊNCIA é um dos filmes mais requintados da história do cinema, com uma sofisticação que beira a extravagância. Já se tornou famosa a história de que havia um coreógrafo só pras cenas de jantar, e de que muitas das louças usadas são originais do período. Scorsese filma essas reuniões sociais (bailes, jantares, salões para os cavalheiros) como  microcosmos de uma realidade alheia aos sentimentos e orgulhosa de suas regras.

Tais regras são um peso para Ellen Olenska, acostumada com a vida de artistas e boemia de quando morava na Europa. A própria presença dela é ao mesmo tempo é um escândalo e um perigo, já que ela está à beira de um divórcio (praticamente um suicídio social). Michelle Pfeiffer, em uma de suas atuações mais notáveis, representa com gestos que se tornam cada vez mais contido o desespero contido de um animal enjaulado. Até seus sorrisos são tristes e enigmáticos, só sendo compreendidos por Newland, ao mesmo tempo seu confidente e amante. Daniel Day-Lewis tem aqui o difícil papel de servir de elo entre várias esferas: a da liberdade e a da repressão, a das regras e a da liberdade, a da aceitação e a da rebeldia. Com seu tom de voz quase sempre deixando ver uma amabilidade forçada e um andar severo mesmo nos momentos mais distraídos, o ator lentamente constrói seu personagem até que possamos notar as várias camadas por trás daquela figura tensa e meticulosa.

age of innocence kiss

A surpresa aqui fica por conta de Winona Ryder como a virginal May. Única do elenco a ser indicada a vários prêmios (ganhou o Globo de Ouro mas perdeu o Oscar pra Anna Paquin), a atriz durante grande parte do filme parece ter uma nota só. Contudo, é apenas quando é feita uma grande revelação sobre sua personagem (que acontece de forma tão brilhantemente sutil que se corre o risco de não se perceber) é que podemos admirar o detalhismo de sua atuação. O trio de protagonistas, apesar de poucas cenas juntos, realiza um trabalho perfeito na dificílima composição pra um filme de época tão perfeccionista.

Essa atenção a detalhes faz parte não só dos atores mas também a um dos mais espetaculares grupos de realizadores colocados por trás de qualquer filme. Simplesmente, estão reunidos em A ÉPOCA DA INOCÊNCIA os melhores de sua área: edição de Thelma Schoonmaker, fotografia de Michael Ballhaus, trilha de Elmer Berstein, direção de arte de Dante Ferretti, figurinos de Gabriela Pescucci (vencedora do Oscar) e créditos iniciais de Saul Bass. São diferentes elementos que tornam o filme não só uma experiência dramática mas também sensorial.

O que mais me chama a atenção em A ÉPOCA DA INOCÊNCIA é como as escolhas de Scorsese como diretor em muito enriquecem o vasto simbolismo das imagens. As metáforas com as cores (dos vestidos, dos salões) são as mais notáveis, assim como inundar toda a tela com uma  determinada cor para realçar um elemento da história. A cena do baile inicial é uma afronta de tão bem dirigida, em que a câmera ‘dança’ pelo salão sem cortes, apresentando várias das figuras mais conhecidas da sociedade nova-iorquina (acompanhada da deliciosamente irônica narração em off de Joanne Woodward). Os momentos passados na ópera também são de tirar o fôlego – a cena em que Michelle Pfeiffer passa o leque por sobre o auditório talvez seja a minha favorita em qualquer filme.

Porém, os momentos mais marcantes são aqueles que ilustram o amor de  Newland e Ellen. Scorsese de utiliza de inúmeros recursos cinematográficos para ilustrar ao mesmo tempo a força e a impossibilidade daquele sentimento. Adoro particularmente as partes em que a câmera fecha no casal, e todo o resto da tela escurece. Ou quando todos os sons são abafados e só podemos ouvir o diálogo dos dois. As cenas mais comentadas, contudo, são aquelas em que Newland e Ellen tem um breve momento de intimidade – tirar uma luva equivale a tirar a roupa inteira, e a sexualidade explosiva desses momentos é conduzida com uma sensibilidade que por muito tempo se achou impossível para um cineasta como Martin Scorsese.

A ÉPOCA DA INOCÊNCIA é um filme sofrido e, quando ele termina, sinto um grande aperto. É como se existissem elementos invisíveis me oprimindo, assim como aqueles que Newland Archer só vai visualizar claramente ao final da história. Chego a pensar se até mesmo a conclusão do filme não seria a melhor possível para esses personagens, que tanto foram aprisionados durante suas vidas. Seja como for, A ÉPOCA DA INOCÊNCIA moldou não só grande parte do meu gosto para cinema mas também uma abordagem com relação à vida. Amo esse filme.

Esta entrada foi publicada em 24 quadros por segundo, Top Ten com as etiquetas , , , . ligação permanente.

12 respostas a Top 10 – Filmes da minha vida

  1. Que magnífica obra de arte. É como um romance realista, perfeitamente reproduzido pelas mãos de Martin Scorsese; um visceral banquete de sensações, brilhantemente recriado pelas mãos do mestre.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

  2. karine diz:

    Exelente post!🙂
    A-do-ro esse filme. Vejo toda vez que passa na tv e vi 2 vezes no cinema. Gosto da história, dos detalhes, mas principalmente das emoções que me provoca. Poucas vezes tive tanta raiva de uma personagem como da Winona Rider nesse filme. E poucos filmes me deram um aperto como aquele final.

  3. Para mim esse é um dos maiores mistérios da filmografia do Scorsese. É um longa totalmente diferente do diretor e que talvez por isso não tenha me agradado num primeiro momento, mas espero dar outra chance para ele em breve.

  4. Blog bom demais, me identifiquei com os filmes😀
    Favoritado!

  5. Wally diz:

    Como havia tuitado, amei este seu texto apaixonado, e me fez ficar MUITO curioso pela obra. Como fã de Scorsese, é simplesmente necessário que eu vá atrás deste filme com certa urgência.

  6. gaff diz:

    Outra coisa interessante é que o “Gangues de Nova York” aparentemente se passa na mesma época e local mas, abordando outra classe social e que também tem o Daniel Day-Lewis em um dos papéis principais.

  7. Já eu acho este filme uma chatura! Nem parece um filme do Martin Scorsese! Mas eu concordo sobre o que você escreveu da Winona Ryder. Para mim ela é a única que consegue tirar o filme do marasmo que ele é. Vai entender como ela perdeu o Oscar para aquela pirralha da Anna Paquim…

    E eu vi na sua caixinha do Flixter que você assistiu “Amor a Toda Prova”, um filme que acho excelente!

  8. Um filme realmente à parte no cinema de Scorsese, que consegue se destacar pela sua história, elenco e fotografia primorosas.

  9. valeria diz:

    Sobre o filme, não há mais o que falar – a cena do jantar de despedida da Condessa resume tudo – mas o que eu adooooro em Edith Wharton é – além de ter superado o mestre, H. James, para mim, claro – é a inversão dessa relação familiar que se encena na Europa. Em James, tem sempre a pobre menina rica – às vezes moribunda – que vai buscar cultura no Velho Mundo e descobre o amor/vida real. Em Warthon, a prima pobretona e solteira – ou divorciada neste caso – vive da caridade financeira e pretensa tolerância da família novaiorquina, embora tenha a bagagem emocional/cultural que o circulozinho da sociedade pseudo-cosmopolita ( como é até hoje ) nem de longe alcança. De todo modo, Wharton arrasa, literalmente, quem lê seus romances e as adaptações ( especialmente de Ethan Fromme jogam na cara as entranhas daqueles que vivem para mostrar e o sofrimento dos que sentem. Alguém aí lembra de Liam Neeson, Patricia Arquette e Joan Allen em Ethan Fromme??

  10. Pingback: Rosebud é o Trenó! | O blog pra quem sabe que Norman Bates é a mãe, o Bruce Willis está morto no final, Tyler Durden é coisa da sua cabeça e, claro, Rosebud é o trenó!

  11. rodeboni diz:

    me identifiquei muito com o texto. Assim como você, era quase um iniciante em Scorsese, mas já um cinefilo de carteirinha quando descobri o filme, as custas do meu eterno amor platônico por Winona Ryder. Ele me dispertou uma profunda adimiração pelo diretor, seus movimentos de câmera, edição primorosa, mudanças de timming, enfim: genial. Mais de uma vez sentei na frente do sofá e revi “a Época da Inocência” após uma sessão de “Goodfellas”. As semelhanaçs na forma como ele introduz o universo dos personagens e as mudanças de tons que ele utiliza, mesmo usando os mesmos preceitos cinematográficos presentes na sua forma de filmar, são realmente fantásticas. Planos sequencias, narração em off, mudança de rotação, uso das cores… e a maneira como ele faz o uso disso a favor (do tom) da história… realmente magistral.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s