Rapidinhas

apenas-o-fim-poster02– APENAS O FIM: ANTES DO AMANHECER, Domingos de Oliveira, cultura nerd, Claude Lelouch e criatividade para orçamento baixíssimo. Dessa mistura saiu a primeira obra de Matheus Souza. Parece um filme de patota – e é, todo filmado na Puc-Rio com a ajuda dos amigos do diretor de 22 anos. Gregório Duvivier e Erika Mader são o casal que discutem o fim de sua relação entre jardins da Gávea, referências pop e amigos bizarros que aparecem pelo caminho. É um filme simpático que conquista nos primeiros diálogos. E quando as citações a The West Wing, Orkut e TRANSFORMERS começam a cansar, a história sabe a hora de terminar. O típico filme ‘fofo’.

LastChanceHarveyPoster– TINHA QUE SER VOCÊ: Falando em filmes ‘fofos’, esse aqui traz dois grandes nomes do cinema (Dustin Hoffman e Emma Thompson) numa história romântica ‘madura’. Emma Thompson é sempre divina, mas em papéis amargurados ela se supera (nunca me esquecerei dela ouvindo Joni Mitchell no quarto em SIMPLESMENTE AMOR). Dustin Hoffman com sua cara de ‘cachorro que perdeu o dono’ conquista na primeira cena, e é impressionante como consegue dar nuances ao personagem com um olhar ou gesto. O filme tem um fiapo de história, mas com o charme dos protagonistas e do passeio por Londres, quem consegue resistir?

120x160 I've loved you so long HÁ TANTO TEMPO QUE TE AMO: Filmaço com Kristin Scott Thomas (que nem sabia que falava francês), de quem gosto desde QUATRO CASAMENTOS E UM FUNERAL. A atriz vive uma mulher que sai da cadeia depois de 15 anos, culpada por um crime terrível. Tristíssimo, o filme é rico em simbolismo (principalmente relacionado à água) e fundado na culpa que emerge de personagens consumidos pela dor. Mesmo que o final seja um pouco previsível e acabe apresentando uma solução um tanto simplista, nada prepara o espectador para a comunhão perfeita dos diálogos juntamente com as interpretações fortíssimas de Scott Thomas e Elsa Zylberstein (que vive a irmã da protagonista). De fazer Freud tremer.

state-of-play-poster– INTRIGAS DE ESTADO: Interessante ‘filme de conspiração’ que interessa menos pela trama política e mais pelo subtexto sobre a questão do fim do jornalismo tradicional. Russel Crowe interpreta um jornalista à moda antiga que se alia a uma jovem profissional do jornal onde trabalha (leia-se: blogueira) vivida pela ótima Rachel McAdams para investigar uma trama envolvendo a Guerra do Iraque, tramóias de Washington e amantes calientes. Além do elencasso principal (que ainda inclui Helen Mirren deliciosamente bitch e Ben Affleck menos canastrão que de costume), chama a atenção a presença de coadjuvantes de luxo como Jeff Daniels (que hoje é um ator e tanto – quem se lembra de ARACNOFOBIA?) e Robin Wright Penn (vivendo pela milionésima vez o papel de mulher-traída-amarga). Mesmo perdendo força da metade pro final, vale pela discussão sobre o papel do jornalismo no mundo de hoje.

Departures (Page 1)– A PARTIDA: O vencedor do Oscar de filme estrangeiro mostra uma visão peculiar sobre a morte no Japão. Me impressionou o fato de os familiares assistirem ao corpo ser maquiado e tratado. Essa prática funeral é um tanto chocante, mas conduzida com extrema sensibilidade (e até mesmo humor) pelo filme. Mesmo que as soluções narrativas sejam um tanto formulaicas e final já se saiba há milhas de distância, surpreende pela sutileza e coesão com que trata um tema tão denso.

Esta entrada foi publicada em 24 quadros por segundo. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s