INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL

indy4-poster-final-big.jpg

As duas principais perguntas na cabeça de todo mundo ao saber da confirmação de um novo INDIANA JONES foram:

– É só pra ganhar dinheiro mesmo?

Harrison Ford vai conseguir convencer como herói com a idade avançada em que está?

A primeira pergunta era fácil de responder: por melhor que fosse o filme, não tem como negar que é desnecessário – serve apenas para alimentar a indústria do entretenimento, não só com o filme mas também para vender milhões de sub-produtos com a marca “Indiana Jones”, além de dar sobrevida aos brinquedos do parque da Universal.

Já a segunda pergunta fico feliz e aliviado em responder que também é positiva: Harrison Ford convence e revive o Dr. Jones com o mesmo charme e a verve dos filmes antigos.

Mas essa quarta aventura do arqueólogo-pastiche de matinê, talvez a mais simplesmente divertida criação não só de George Lucas mas também de Steven Spielberg, é divertida e…só. Mesmo não havendo nenhum momento muito embaraçoso como nas pavorosas prequels de STAR WARS, INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL se alonga e se explica tanto que se torna algo totalmente esquecível.

O roteiro é o grande culpado aqui: existem tantas cenas de exposição logo no início (e várias delas simplesmente são desnecessárias e não chegam a lugar nenhum) que o filme corre o risco de ficar chato. O carisma de Harrison Ford e Shia LaBeouf, ambos ótimos, salvam a platéia. Só é pena o pouco aproveitamento do retorno de Karen Allen, além do grande John Hurt fazer papel de pateta. Felizmente, Cate Blanchett no melhor estilo dominatrix, arrasa.

As cenas de ação e os efeitos especiais, mesmo que divertidamente exagerados, não ficam a dever aos outros filmes da série. A perseguição dentro da universidade é pulsante, e toda a seqüência no meio da Amazônia com os tanques é classicamente spielbergiana (mesmo com o momento patético em que os macacos de Nicole Kidman em A BÚSSOLA DOURADA fazem uma ponta).

A trama, que remete às produções dos anos 50 em que INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL se situa, usa e abusa da ficção científica recorrente da época no que se refere aos filmes de alienígena como metáfora da luta contra o comunismo. No entanto, tanto e.t. me fez pensar que Mulder e Scully apareceriam a qualquer minuto. Sem contar que os extraterrestres são a cara do monstro da série ALIEN. Achei meio truncado, esquisito mesmo.

Há momentos ótimos (Shia como Brando, Karen Allen fofa e, principalmente, as formigas gigantes), mas falta a essa aventura de Indiana Jones uma certa escolha moral ao final, assim como nos outros filmes. Não há um momento em que o arqueólogo se sinta tentado a abandonar tudo pela grande descoberta que fez. Ele apenas “soluciona” a situação e diz tchau.

INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL é um Spielberg descartável, me lembrou muito O MUNDO PERDIDO. Está longe de ser horrível, mas falta a sua história a consistência das aventura anteriores desse que é um dos maiores heróis da história do cinema.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em 24 quadros por segundo. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s