Bom ou Bomba v.5

GANGUES DE NOVA YORK (2002)

gangues de nova york poster

QUEM GOSTA DIZ:

– Do momento da batalha inicial até o final com as Torres Gêmeas, Scorsese lança um rico olhar antropológico (como já fez em filmes tão diversos como TAXI DRIVER e A ÉPOCA DA INOCÊNCIA) sobre a luta por trás da criação dos EUA.

Daniel Day-Lewis dá ares de vilão shakesperiano a seu personagem, em mais uma de suas brilhantes atuações. Só a cena do discurso envolto na bandeira americana vale mais que muito livro de história dos EUA.

– Em termos técnicos, é dos maiores espetáculos cinematográficos do cinema recente. Filmado na Cinecittá com fotografia de Michael Ballhaus e direção de arte de Dante Ferretti, Scorsese cria a textura histórica de uma Nova York violenta, suja e fervilhante de ideologias.

QUEM NÃO GOSTA DIZ:

– Estragado pela edição forçada de Harvey Weinstein, o filme é cheio de personagens que aparecem e desaparecem sem motivo, além de um roteiro cheio de buracos.

– Daniel Day-Lewis realmente salva o filme, porque Leonardo DiCaprio imaturo e Cameron Diaz fazendo caras e bocas com um personagem que é puro clichê (a prostituta de bom coração) são monumentos à vergonha alheia.

– O filme é vítima de sua própria ambição, já que Scorsese, em sua tentativa de criar um grande épico americano, perde o foco da história que está contando, preferindo apelar para seu estilo violento característico.

Publicado em 24 quadros por segundo, Bom ou Bomba? | Etiquetas , , , , , , | 7 Comentários

Só porque me deu vontade…

madonna-courtney-love-tina-turner-rolling-stone-cover

… de postar essa capa.

É de 1997, com Madonna, Tina Turner e Courtney Love na edição comemorativa de 30 anos da Rolling Stone, especial de “Mulheres do Rock”.

Na entrevista abaixo, que era verdadeira raridade antes do YouTube, Madonna e Tina falam dos bastidores do ensaio fotográfico: Madonna (de boca cheia) comenta como está parecendo uma Spice Girl na capa e Tina Turner fala de como se divertiu.

Publicado em Just Shoot Me!, Music! Makes the people... | Etiquetas , , | Publicar um comentário

Semelhanças entre 'X-Men: Primeira Classe' e 'Bastardos Inglórios'

michael fassbender-basterds-magneto

O Vulture fez um post bem criativo comparando X-MEN: PRIMEIRA CLASSE e BASTARDOS INGLÓRIOS, em especial os papéis relativamente parecidos de Michael Fassbender. Não resisti e coloquei aqui traduzido. Olhem só:

BASTARDOS INGLÓRIOS

X-MEN: PRIMEIRA CLASSE

Premissa básica

Membros de uma minoria discriminada formam um grupo mortal para acabar com nazistas

Membros de uma minoria discriminada formam um grupo mortal para acabar com um ex-nazista.

Apelidos dos membros do time

O Urso Judeu, O Caçador de Judeus

Magneto, Professor X, Mística, etc.

Liberdades históricas

O filme imagina um passado no qual Hitler e Goebbels são assassinados em um cinema.

O filme imagina um passado no qual a Crise dos Mísseis Cubanos foi resolvida por um grupo de mutantes.

Prólogo

Garota judia vê sua família morrer nas mãos dos nazistas.

Garoto judeu vê sua mãe morrer nas mãos dos nazistas.

Criança judia traumatizada depois que cresce…

…torna-se pessoa bastante atraente (Mélanie Laurent) em uma jornada de vingança ajudada por um não-judeu (Tenente Aldo Raine)

…torna-se pessoa bastante atraente (Michael Fassbender) em uma jornada de vingança ajudado por um não-judeu (Charles Xavier)

Personagem feminino que esconde a verdadeira identidade

Shoshana Dreyfuss, esconde o fato de ser judia

Raven Darkholme (Mística), esconde o fato de ser azul.

Personagem que tem problemas ao controlar suas tendências violentas

Sargento Donny Donowitz

Havok

Falante alemão que rouba as cenas

Coronel Hans Landa (Christoph Waltz)

Sebastian Shaw (Kevin Bacon)

Loira Fatal

Bridget Von Hammersmark (Diane Kruger)

Emma Frost (January Jones)

Personagem que é um ameaçador mas refinado poliglota interpretado por Michael Fassbender

Tenente Archie Hicox, que fala duas línguas (inglês e alemão)

Erik Lensherr (Magneto), que fala quatro línguas (inglês, alemão, francês e espanhol)

Ameaçador mas refinado poliglota interpretado por Fassbender se encontra…

…numa tensa luta de bar em um país estrangeiro envolvendo cerveja, alemães e morte.

…numa tensa luta de bar em um país estrangeiro envolvendo cerveja, alemães e morte.

Bordão geralmente repetido

“É bingo.”

“Mutante, e com orgulho.”

Ator com um papel surpreendentemente pequeno

Mike Myers

Oliver Platt

Existem atos de vingança envolvendo suásticas e sangue na testa?

Sim.

Sim.

Publicado em 24 quadros por segundo, Pop Q Pensa | Etiquetas , , , , , , | 3 Comentários

Apresentações musicais inspiradas em filmes

Eu já fiz um post aqui sobre videoclipes inspirados em filmes. Mas também existem apresentações ao vivo bem legais que tomam como base produções da sétima arte.

Desse tipo de apresentação, a mais manjada é quando a música fez parte da trilha-sonora de um filme – e o quando o filme é musical, aí que fica igualzinho mesmo (o que não é necessariamente algo ruim). Um exemplo que eu gosto é de Michael Jackson cantando “Smooth Criminal” na Dangerous Tour de forma praticamente igual ao filme MOONWALKER.

É pena que o Rei do Pop morreu antes da turnê “This is It”, já que essa apresentação teria sido ainda mais fenomenal devido a um vídeo/intelude mostrado antes fazendo referência a vários filmes da era de ouro de Hollywood, como O FALCÃO MALTÊS e GILDA. Ainda bem que pudemos vê-lo no documentário de ensaios da turnê.

Uma apresentação que tinha tudo pra ser um exagero kitsch mas cujo resultado foi meio sonolento foi a de “Lady Marmalade” com Christina Aguilera, Lil’Kim, Mya, Pink e Missy Elliott no Grammy. Divulgando MOULIN ROUGE, a única coisa que salvou foi a aparição de Patti LaBelle, a intérprete da canção original que mostrou pra essas filhotes de diva como é que se grita de verdade.

Falando em diva, uma performance estelar foi a de Tina Turner cantando “Goldeneye”, a música que Bono e The Edge escreveram para a primeira aventura de Pierce Brosnan como James Bond. Adoro a entrada dela naquele alvo estilo 007.

No terreno do rock, nada se compara à turnê The Division Bell do Pink Floyd, com o palco mais espetacular já construído. Em meio à toda aquela pirotecnia, se destacava “Another Brick in the Wall”, canção-tema do filme cult dirigido por Alan Parker.

Existem, no entanto, apresentações baseadas em filmes que não são necessariamente com canções baseadas em trilhas-sonoras. Uma das mais bem-feitas é a Kylie Minogue homenageando LARANJA MECÂNICA. A ultra-violência de Kubrick/Burgess domesticada pelo pop. O início com a Quinta Sinfonia de Beethoven é um achado.

Madonna também foi outra que fez uma homenagem ao filme de Kubrick, inclusive misturando falas do filme à letra de “Keep it Together”, música que concluía a turnê Blonde Ambition. Nesse caso, outra referência cinematográfica fortíssima (da coreografia ao figurino) era ao filme CABARET, de Bob Fosse.

É também de Madonna a minha apresentação musical favorita baseada em filme. Na turnê Girlie Show haviam várias referências ao cinema (de HAIR a Marlene Dietrich), mas a que acaba roubando mesmo a cena é a performance de “Justify My Love”, baseada na sequência da corrida de cavalos de MY FAIR LADY. Com figurino de Dolce & Gabbana emulando o preto-e-branco idealizado por Cecil Beaton no filme de George Cukor, Madonna subverte o deleite hipócrita da alta-sociedade londrina mostrado no filme através de um viés sexual inesperado. Um dos momentos mais inspirados da cantora.

E vocês? Lembram de mais alguma apresentação musical baseada em filme?

Publicado em 24 quadros por segundo, Music! Makes the people... | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 2 Comentários

X-MEN – PRIMEIRA CLASSE

X-men First Class poster

Depois de dois episódios fraquíssimos (um era de Brett Ratner, estavam esperando o que?) a série X-MEN volta ao trilhos com esse X-MEN – PRIMEIRA CLASSE, tentativa de dar novo gás aos mutantes que já estavam com pouco poder de fogo nas telas.

Claro, é uma estratégia mais do que manjada dos estúdios dar um reboot em uma série depois do terceiro filme, mas no caso de X-MEN até faz sentido – resolveu-se agora mostrar como os mutantes mais importantes do grupo se reuniram, em especial Charles Xavier (James McAvoy) e Erik Lensherr (Michael Fassbender). Felizmente, meus maiores medos com relação a esse filme não se concretizaram: a produção é bem-acabada e não tem cara de coisa feita a toque de caixa (coisa que a Fox costuma ser especialista) e nem houve uma “crepusculização” da série (temor justificado depois que Taylor Lautner foi oferecido o papel de Fera, mas recusou).

Pelo contrário, esse episódio é até bastante maduro, já que concentra sua força em dois dos momentos históricos mais marcantes do século passado: o Holocausto (cena inicial do filme, retirada diretamente do primeiro X-MEN de Bryan Singer) e a Crise dos Mísseis de Cuba. Por mais que a primeira metade do filme às vezes se perca em seu próprio blá blá blá que não leva a muita coisa e existam cenas de camaradagem teen, Matthew Vaughn (vindo do odioso KICK-ASS) prefere acertadamente focar no bromance entre Xavier e Lensherr, não só porque a relação dos dois é de uma dinâmica muito rica, mas também porque McAvoy e Fassbender tem atuações bem mais inspiradas que o resto do elenco. Nota-se que algumas cenas entre os dois são cortadas abruptamente (em especial aquela em que jogam xadrez na escadaria do Lincoln Memorial), mas nada que uma versão estendida em DVD não resolva.

É impressionante como todos os filme da série X-MEN acabam de certa forma focando na origem de algum personagem (o primeiro a ênfase era na Vampira, o segundo era em Wolverine – que depois ganhou um filme inteiro pra contar sua história – e o terceiro era em Jean Grey). Em X-MEN – PRIMEIRA CLASSE tudo é uma grande história de origem, e o que poderia ser uma bengala para o roteiro acaba servindo como um deleite retrô, onde Vaughn faz deliciosas referências aos filmes de espião dos anos 60 (sem falar em pequenas homenagens a INSTINTO SELVAGEM e CIDADÃO KANE).

Mesmo não sendo tão bem realizado quanto X2 (alguns personagens desaparecem no meio do filme e alguns diálogos querem explicar demais toda a metáfora do “ser” mutante), o filme tem pelo menos três das melhores cenas de toda a série, além de participações especialíssimas que valem o ingresso. Uma grata surpresa.

Publicado em 24 quadros por segundo | Etiquetas , , , , , | 4 Comentários

You're talking about memories…

Blade-Runner-polaroid

Teriam essas fotos sido colocadas na internet pela Tyrrel Corporation para nós acharmos que as filmagens de BLADE RUNNER, uma das mais problemáticas da história, foi na verdade muito divertida?

Blade-Runner-polaroid1

Pelo visto não: essas são polaroides tiradas por Sean Young tiradas no set de filmagem e reveladas só agora.

Blade-Runner-polaroid3Você pode ver mais aqui.

Publicado em 24 quadros por segundo, Just Shoot Me! | Etiquetas , , | 1 Comentário

Links do Trenó

Blurrei anuncia: o DVD do último HARRY POTTER já está à venda!

Teco Apple apresenta o novo single dos Kaiser Chiefs (achei bonzinho).

O Falcão Maltês fala da problemática relação entre F. Scott Fitzgerald e o cinema.

Teresa Não Existe declara seu amor a Chris Colfer, o Kurt de Glee.

Eu Só Queria Estudar faz uma análise sobre a polêmica em torno do kit anti-homofobia.

Madonna Online mostra Beth Ditto cantando ‘Vogue’ em show.

Publicado em Links do Trenó | Etiquetas , , , , | Publicar um comentário